Como Saber o Que Fazer da Vida Profissional em 3 Passos

Publicado por Ziee Rodrigues
escolha vida profissional
Se você não sabe o que fazer da sua vida profissional, mas por se preocupar com o seu futuro, está tentando descobrir, esse texto foi escrito com a intenção de te ajudar.

A verdade é que não há como fugir.

Praticamente todos nós, em algum momento, precisamos iniciar uma jornada profissional, que irá definir onde, como e com quem passaremos a maior parte do nosso tempo de vida.

E por isso, você precisa sim refletir com cuidado quando for decidir qual será o caminho que irá seguir profissionalmente.

Afinal, além da necessidade financeira por trás do trabalho, há também um anseio individual pelas recompensas que ele tende a proporcionar, como reconhecimento e satisfação pessoal.

Portanto, observe com atenção cada instrução que será transmitida a seguir, seja você alguém que acabou de concluir o ensino médio ou um profissional de 30 anos de idade ou mais que está pensando em se reinventar.

Através da aplicação dos simples passos que eu exploro nesse artigo, a tarefa de descobrir o que fazer da vida profissional será facilitada e quem sabe, finalmente concretizada.

PASSO 1: OS 4 R’s DA MOTIVAÇÃO PESSOAL E PROFISSIONAL

motivação profissional
A primeira coisa a se fazer quando você não sabe qual caminho seguir profissionalmente é entender o mecanismo que movimenta as ações de todo o ser humano: a motivação.

E eu sei que essa palavra desperta um certo preconceito em muitas pessoas devido ao seu mau uso por gurus desonestos, mas se você realmente deseja descobrir o que fazer da sua vida profissional, é praticamente impossível prosseguir sem pelo menos falar um pouco dela.

Motivação nada mais é do que o motivo para a ação, o que significa que ela é capaz de impulsionar ou travar pensamentos e atitudes.

Dentro do que podemos chamar de "campo motivacional", existem 4 fatores comuns que motivam boa parte das pessoas, dos quais todos começam com a letra R:
  • Recursos: bens materiais, conforto e tudo mais que o dinheiro pode comprar.
  • Relacionamentos: relações amorosas, sexuais ou sociais.
  • Relevância: status, prestígio e reconhecimento.
  • Reação: movimento, novidades e interação com o mundo.
E então, algum desses fatores chama a sua atenção ou parece familiar para você?

Pois é...

Embora cada um de nós valorize mais um do que o outro, todos eles envolvem necessidades naturais do ser humano, como reprodução e preservação da espécie.

Portanto, como um passo inicial rumo à descoberta do que fazer profissionalmente, você deve organizar esses fatores por ordem de relevância e identificar qual deles será priorizado na hora de escolher a profissão que irá exercer.

Motivação Interna x Motivação Externa

No vídeo disponibilizado abaixo, eu compartilho as principais lições que eu aprendi com o trabalho do empreendedor bilionário Elon Musk.
Nesse vídeo, eu cito algumas características e realizações do Elon, que servem como fonte de inspiração pessoal e profissional não só para mim, mas para milhares de outras pessoas ao redor do mundo, que admiram e acompanham o trabalho dele.

E dentre as características citadas, uma que eu gostaria de destacar aqui é a motivação por trás do seu trabalho, que ao contrário daquela que move a maioria das pessoas, é intrínseca.

A motivação interna ou intrínseca, é aquela que parte do próprio indivíduo, onde a principal recompensa é o processo em si, ou seja, a realização da tarefa e a satisfação por poder trabalhar nela.

Já a motivação externa ou extrínseca, é aquela que depende especialmente de fatores que estão do lado de fora do indivíduo, como fama, dinheiro e bens materiais.

E apesar de não haver nada de errado em gostar de receber recompensas externas (acredito que todos nós gostamos), depender exclusivamente delas para agir, está longe de ser o ideal.

A grande vantagem de estar intrinsecamente motivado, é o aumento da resistência em relação à fracassos.

Se o anseio pela realização for mais forte que os impactos causados pela frustração, desistir deixa de ser uma opção.

PASSO 2: AUTOCONHECIMENTO E AUTOCONSCIÊNCIA

autoconsciência
Autoconhecimento e autoconsciência são fatores essenciais para todos aqueles que desejam descobrir qual rumo profissional seguir.

Porque quem normalmente sofre quando chega a hora de decidir qual ação tomar ou profissão escolher, é justamente aquele que não se conhece o suficiente para reconhecer o que é bom para ele mesmo.

Sabendo disso, o segundo passo para você saber o que fazer da sua vida profissional, é a análise de si.

Os 12 Arquétipos de Jung: Qual Predomina em Você?

De acordo com a psicologia analítica de Carl Gustav Jung, arquétipos são imagens ou símbolos armazenados no subconsciente coletivo, que representam um conjunto de valores, emoções e comportamentos presentes em cada indivíduo.

Segundo Jung, todos nós possuímos mais de um arquétipo na construção da nossa personalidade, havendo sempre um que predomina perante os demais - um suposto "arquétipo dominante".

O conceito de arquétipos é bastante utilizado no marketing para a criação de estratégias adequadas de comunicação com o público-alvo de determinada marca.

Contudo, aqui nós vamos utilizá-lo apenas como um ponto de partida para a sua jornada de autoconhecimento, através de uma visão geral de cada um dos 12 arquétipos, como você pode ver abaixo:
  1. O Inocente: otimista, tranquilo, esperançoso, emocional, simples, acomodado, paciente.
  2. O Cara Comum: igualitário, coletivista, valoriza o pertencimento.
  3. O Herói: corajoso, forte, idealista.
  4. O Cuidador: protetor, generoso, prestativo, emocional, acomodado, paciente.
  5. O Explorador: ambicioso, individualista, autêntico, inconformado, agitado.
  6. O Rebelde: revolucionário, autêntico, controlador, ousado, inconformado.
  7. O Amante: vaidoso, romântico, elegante, divertido.
  8. O Criador: criativo, inovador, visionário, sonhador, perfeccionista.
  9. O Bobo: divertido, espontâneo, brincalhão, alegre, sossegado, animado.
  10. O Sábio: curioso, estudioso, intelectual, racional.
  11. O Governante: controlador, autoritário, responsável, revolucionário.
  12. O Mágico: manipulador, visionário, carismático, inventor.
Como já dito, o objetivo aqui é apenas fornecer uma noção geral de cada arquétipo, sendo extremamente recomendado que você busque por mais informações sobre eles para complementar essa etapa do processo.

Os 4 Impulsos Humanos

Os 12 arquétipos descritos pertencem a um conjunto denominado de "Quatro Orientações Cardeais", que são grupos divididos pelos impulsos humanos que se destacam em cada arquétipo. São eles:
  • Risco e Maestria: mago, rebelde e herói.
  • Independência e Realização Pessoal: inocente, explorador e sábio.
  • Pertencimento e Dependência do Grupo: cara comum, bobo e amante.
  • Controle e Estabilidade: cuidador, criador e governante.
Perceba que é possível possuir todos esses impulsos dependendo da situação presente, porém, em todos os casos há um que é mais intenso e evidente, e detectá-lo também poderá contribuir para a sua busca pelo autoconhecimento.

PASSO 3: CADA SITUAÇÃO, UMA PROFISSÃO

áreas profissionais
"A melhor maneira de descobrir o que você quer é descartando o que não quer. "
É fato que nem todas as profissões são para todo mundo.

E o motivo disso não poderia ser mais simples: cada área de trabalho dispõe de suas particularidades...

Por exemplo, se você não lida muito bem com incertezas, riscos e instabilidade, empreender talvez não seja a melhor ideia, mesmo com a possibilidade de grandes recompensas externas, pois, como já dito anteriormente, depender exclusivamente de recompensas externas costuma ser um jogo perigoso...

Portanto, após estar autoconsciente das suas próprias aspirações pessoais, o próximo passo é conhecer diferentes tipos de profissões das mais diversas áreas de atuação, bem como as vantagens e desvantagens de cada uma delas.

Fazendo isso, será mais fácil identificar áreas de trabalho correspondentes às suas expectativas pessoais e profissionais, e descartar aquelas que não têm absolutamente nada a ver com você.

Principais Tipos de Profissões Atuais

Entre os principais perfis profissionais no mundo atual, temos o:

Funcionário Público: empregado contratado através de concursos ou nomeações para trabalhar em órgãos ou serviços públicos. Exemplo: procurador.

Funcionário Privado: empregado convencional de empresas, indústrias ou companhias privadas. Ex: programador.

Profissional Liberal: exerce determinada atividade com total liberdade sob registro de uma ordem ou conselho profissional. Exemplo: dentista.

Autônomo ou Freelancer: trabalhador que presta serviços por conta própria sem vínculo empregatício. Exemplo: encanador, ilustrador.

Empresário: fundador de empresa(s) que atende(m) uma demanda existente no mercado. Ex: Elon Musk.

Empreendedor: profissional de qualquer área ou perfil, que trabalha para implementar mudanças em novos negócios ou empresas já existentes. Exemplo: profissional de carreira.

Novamente, essa foi apenas uma descrição rápida com a finalidade de te introduzir ao assunto.

Faça pesquisas mais elaboradas para aprimorar a sua concepção sobre cada um desses tipos de profissão e suas respectivas áreas.

FAZER O QUE AMA OU AMAR O QUE FAZ?

amor pela profissão
Verdade seja dita: amar a profissão antes de trabalhar nela nem sempre é possível.

Salvo raríssimas exceções, a maioria das pessoas não tem 100% de certeza de qual é a melhor escolha profissional até iniciar a sua experiência de trabalho.

Ainda mais porque (infelizmente), o nosso sistema de ensino ainda é muito teórico e pouco prático, o que geralmente acaba "confundindo" as expectativas do estudante em relação à realidade profissional do mercado de trabalho.

Então, será que você deve mesmo esperar por uma certeza absoluta ou uma louca paixão para arregaçar as mangas e partir para a ação?

Pode ser que sim, mas eu acredito que não.

É como as boas mães costumam dizer para os filhos quando eles se negam a comer um alimento por causa de sua aparência pouco atrativa: "Como você sabe que não gosta sem experimentar?".

Não dá para contar com o poder da adivinhação, intuição ou achismo na escolha de uma profissão.

Pesquisar antes de decidir qual decisão tomar pode até diminuir as chances de você se decepcionar, mas sem vivenciar, você nunca saberá.

E além disso, vale lembrar que profissão perfeita simplesmente não existe e provavelmente nunca existirá.

Mudanças São Permitidas

"Nenhum plano sobrevive ao campo de batalha" - Sun Tzu
A sociedade nos faz acreditar que todas as escolhas são decisivas.

Mudanças são ruins e você deve ser o mesmo sempre para não parecer incongruente.

O problema é que a vida é repleta de transformações e acontecimentos inesperados.

Sendo assim, não importa o que você decidir fazer profissionalmente hoje, é possível fazer diferente amanhã.

Vai ser difícil? Sim!

Cansativo? Mais ainda...

As pessoas vão te criticar? Com certeza.

Mas nada que você já não tenha enfrentado antes, certo?

Então, não tenha medo de se aventurar na "profissão errada".

Cada experiência é um aprendizado e há sempre algo a se ganhar com ele.

E se, mesmo após seguir os simples passos que eu te passei aqui, você ainda se sentir inseguro sobre o que fazer da sua vida profissional,  fique tranquilo.

Tome uma decisão, foque nela e se der errado, tente de novo.

UM PROFISSIONAL VERDADEIRAMENTE QUALIFICADO

Se você deseja ser um profissional de sucesso (e entenda sucesso como a realização de sonhos e objetivos), o projeto Impulso Cognitivo foi desenvolvido especialmente para VOCÊ.

Aqui você encontra dicas, lições e métodos eficientes de aprendizagem que vão te ajudar a se desenvolver cada vez mais tanto pessoal, quanto profissionalmente.

Cadastre seu email abaixo para ficar por dentro das melhores novidades!

E não se preocupe: jamais te enviarei spam e você é livre para sair quando quiser 😁

Referências de Pesquisa

E aí, o que você achou deste conteúdo?

👇 Deixe a sua opinião através de um comentário.

Carregar comentários